CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE  

Se você está entre os beneficiários do programa Bolsa Família, essa é uma excelente notícia! Os pagamentos desse auxílio já estão sendo feitos desde o início do ano, com datas que variam de acordo com o número NIS de cada cidadão, porém neste mês de março, teremos um pagamento adicional de R$ 150,00 por criança.

Essa medida foi anunciada em janeiro pelo ministro do Desenvolvimento, Assistência Social, Família e Combate à Fome, Wellington Dias. Seu objetivo, é o de contemplar famílias com crianças de 0 a 6 anos, como foi prometido pelo Presidente Lula durante sua campanha.

Esse atraso no pagamento, que estava previsto para o início do ano, junto dos primeiros pagamentos efetuados, se deve as informações acerca de algumas irregularidades no cadastro de algumas famílias. Segundo o ministro Wellington Dias, são 40 milhões de famílias inscritas no Cadastro Único e cerca de 10 milhões de cadastros irregulares, ou seja, pessoas que recebem o benefício indevidamente.

O intuito é que essas melhorias sejam realizadas o quanto antes, para que então o programa possa ser relançado, com o nome de “Novo Bolsa Família”, contemplando todas as famílias que aguardam ser inseridas no programa e tem esse direito garantido em todas as regras e exigências já estipuladas em sua criação.

  CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE  

Atualmente, mais de 21 milhões de famílias recebem o benefício, divididos em 5.570 municípios. Cada uma delas, recebe em média R$ 614,00 (para o núcleo familiar) sendo o valor mínimo transferido de R$ 600.

Calendário de pagamentos 2023

Final NISJanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOutNovDez
1181320141819181818181711
2191421171920192119192012
3201522182221202220202113
4231623192322212321232214
5241724202423242422242315
6252227242526252525252418
7262328252627262826262719
8272429262928272927272820
9302730273029283028302921
0312831283130313129313022
Bolsa família – calendário de pagamentos

+ LEIA TAMBÉM: Como receber o Bolsa Família 2023

Sobre o Bolsa Família

O Bolsa Família é um programa de transferência de renda, destinado as famílias brasileiras que vivem em situação de pobreza ou extrema pobreza.  A medida foi desenvolvida no ano de 2003, durante o governo Lula, como uma forma de unificar diversos outros benefícios criados durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (FHC).

Essa unificação de benefícios já. Existentes, como o Bolsa Alimentação, Cartão Alimentação, Bolsa Escola e Auxílio-Gás por exemplos, vigentes no governo de FHC, somaram forças as iniciativas de Lula, que na época, havia criado o Programa Nacional de Acesso à Alimentação(PNAA). 

Essa junção, fez com que o Bolsa Família tivesse exatamente esses objetivos, combatendo a fome e a pobreza, promovendo a segurança alimentar e auxiliando com o acesso a serviços públicos por parte dessas famílias. Tudo isso foi centralizado em um único ministério, fazendo deste o único organizado e regulador do benefício, o Ministério do Desenvolvimento Social – MDS. 

Em 2019, com a troca de governo entre Lula e Bolsonaro, algumas mudanças significativas foram feitas. Em sua campanha, Bolsonaro prometeu que os beneficiários teriam o 13º salário do Bolsa Família, o que foi visto com bons olhos por muitos brasileiros, tornando-se realidade em outubro do mesmo ano.

Dentre as mudanças ocorridas, podemos citar a transição de nomenclaturas, passando a ser chamado de Auxílio Brasil. Além do nome, algumas outras mudanças foram feitas, como as condições de renda de cada família para receber o benefício, abertura de vagas para o cadastro e um reajuste nos valores pagos.

No demais, as regras e o foco do programa eram basicamente os mesmos, com objetivos e públicos iguais, assim como sua base de cadastro, sempre feito no Cadastro Único, meio criado pelo Governo Federal com o objetivo de armazenar todos os dados dos cidadãos, como forma de analisar suas informações e então os destinar aos programas que tem direito (com base nos dados obtidos).

Neste ano, Lula voltou a ser presidente do país, trazendo consigo o programa mais popular de seu governo. As mudanças, inclusive o pagamento adicional citado no início deste artigo, marcam uma nova fase para o programa, que deve ajudar ainda mais famílias brasileiras.